Menu


    Perseguição religiosa em outros países é uma lição: “Valorizam mais as Escrituras”

    17 JUL 2019
    17 de Julho de 2019

    A experiência de fé dos cristãos que vivem nos países onde a liberdade religiosa é garantida pelo Estado, soa bem diferente da dura realidade dos cristãos que vivem nas regiões onde professar o nome de Cristo como único e suficiente Salvador pode lhe custar a morte, devido à intensa perseguição religiosa.

    Este é o caso, por exemplo, da Nigéria, onde pelo menos 10 pessoas morrem todos os dias, segundo informações de David Curry, CEO da organização missionária em defesa da liberdade religiosa, Postas Abertas, nos Estados Unidos.Curry concedeu uma entrevista ao The Pure Flix, onde falou sobre a diferença de contextos entre os cristãos que vivem, por exemplo, nos Estados Unidos e nas regiões perseguidas da África.

    “É um mundo diferente”, disse ele. “O que [os cristãos perseguidos] podem fazer por nós, porém, é nos informar e podemos aprender muito com essas pessoas nesses países em nossa própria caminhada. Como tal, acho que eles valorizam mais as Escrituras”.Eles creem na adoração juntos e na igreja, mais para poderem se reunir e falar sobre Jesus em segurança e deixar seus filhos irem à igreja e aprenderem o tipo de coisas que desvalorizamos tanto de algumas maneiras e podemos aprender muito com eles”, enfatizou.

    Viver sob tensão constante, em razão da perseguição religiosa promovida por grupos terroristas como o Boko Haram, trás consequências emocionais e até mesmo físicas permanentes, mas também espirituais, como o fortalecimento da fé dos perseguidos.

    “A vida deles é reduzida ao básico e eles decidem o que é mais importante”, explica Curry, destacando que nesse contexto “tudo se resume à sua vida espiritual e à porção que você recebe das Escrituras e da sabedoria para ajudá-lo a viver todos os dias”.

    Voltar

       88,3 FM o amor de Deus para os nossos corações